Faixa publicitária
A separação PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Documentos - Textos e Apresentações

(Mensagem 41)

Diz o Evangelho que a um homem foi lançado o repto de seguir o Mestre. Mas ele, com toda a lógica humana, pediu para adiar o convite, pois teria de cuidar da família (Lc 9, 59-60). Usou mesmo a expressão: “Deixa que, primeiro, vá enterrar meu pai”. A partir do verbo usado, obteve de Jesus a conhecida admoestação: “Deixa que os mortos sepultem os seus mortos”.

Para Jesus, a liberdade interior e exterior é a primeira condição do seguimento. Deixar tudo o que possa constituir-se «empecilho» para a missão é a base sem a qual nada de grandioso se pode edificar. Por isso, parece radical: “Vai, vende tudo o que tens e dá-o aos pobres. Depois, vem e segue-me” (Mt. 19, 21).

Jesus não é um dualista ou um simples asceta: não vê as coisas como más, contrapostas ao «mundo da luz». Não prega o «abandono do mundo», Ele que comeu e bebeu, foi aos casamentos e às festas e não recusou a receção apoteótica do dia de ramos. Mas insiste na perfeita liberdade: “O que quer ser meu discípulo, renegue-se a si mesmo” (Mc 8, 34). E o verbo «renegar», em contexto bíblico, indica o abandono radical de todas as idolatrias, para pertencer só ao Senhor.

No renegar-se a si mesma e no seguimento, a pessoa vai encontrar outros que também com Jesus tecem a existência. Aposta n’Ele e, como resultado, insere-se na comunidade dos que sabem «conviver»: a comunidade vertical, do discípulo com o Mestre, funda e precede a comunidade horizontal, dos discípulos entre si.

Deste modo, no início do dado cristão não está a «salvação» pessoal, mas a missão universal. A «razão» não se encontra na vida de cada um ou na sua «autoridade», manias e fobias. Mas sim na liberdade e na alegria do serviço aos outros, prioridade lógica e axiológica do discípulo vocacionado.

Importa, pois, que «os chamados» se interroguem: os bispos em que se distinguem dos senhores feudais; os sacerdotes se são servos ou tiranetes; os diáconos a quem servem e se servem; os leigos se são discípulos do Senhor que veio “não para ser servido, mas para servir” (Mt 20, 28). Até para que nenhum de nós faça a figura ridícula do menino birrento que grita somente para vincar o seu «quero, posso e mando».

***

 

 

 
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Faixa publicitária
Quer receber as nossas novidades no seu e-mail? Subscreva a nossa Newsletter especificando o seu endereço de e-mail:

Entrada Solene de D. Manuel Linda na Diocese do Porto

Agência Ecclesia

Guia?o.56.ª.Semana.Orac?a?o.Vocac?o?es Versão reduzida
2019-04-26 12:20:40
Cartaz e banner FB
2019-04-17 14:56:29
Pagela Oração
2019-04-17 14:56:10
Guião
2019-04-17 14:55:11
Faixa publicitária
Faixa publicitária


© Diocese do Porto, Todos os Direitos Reservados.